JUSTIÇA EM MINAS

Operação da PF apura acusações de recebimento de propina por desembargadores do TJMG

Os desembargadores Geraldo Domingos Coelho e Paulo Cézar Dias receberam mandatos de busca e apreensão expedidas pelo STJ. Outras sete pessoas estão sendo investigadas.


Publicado em: 18/11/2020 às 15:20hs

Operação da PF apura acusações de recebimento de propina por desembargadores do TJMG

A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) investigam uma suspeita de recebimento de propina para influenciar o desenvolvimento de alguns processos judiciais no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Os desembargadores Paulo Cézar Dias e Geraldo Domingos Coelho foram alvos da operação “Cosme” realizada na manhã desta terça-feira, 18, e se juntam a mais sete pessoas investigadas.

Segundo a PF, os envolvidos no caso repassavam propina aos desembargadores em troca de vantagens indevidas no TJMG. Além deles, o advogado Ildeu da Cunha Pereira Sobrinho, falecido em fevereiro desse ano, fazia parte do esquema de corrupção.

O TJMG afirmou em nota que acolhe as formalidades legais no cumprimento de mandados de busca e apreensão feitos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), reforça o princípio da presunção de inocência  garantida pela Consitutuição Federal e destaca sua plena disposição para a colaboração das investigações para que o zelo pela transparência e os valores da instituição não se corrompa.

A operação batizada como “Cosme” apreendeu R$ 50 mil na casa do advogado Luiz Carlos de Miranda Faria, ex-deputado estadual e integrante do conselho da Usiminas, além de outas provas que confirmam as acusações. Ao todo são 10 mandados de busca e apreensão - seis em Belo Horizonte, um no município de Ipanema (MG), um em Engenheiro Caldas (MG) e dois no estado de São Paulo.